Cartas para o meu futuro

Daqui a dois anos e três meses e alguns dias vais fazer trinta anos. Eu sei que sempre ansiaste o futuro mas que ele sempre te aterrorizou. Essa incógnita de ser adulto, responsável, de ter um emprego, casa e contas para pagar. Tudo isso sendo livre, sonhador e ainda rir alto e forte. Eu sei que estás com medo. Eu também. Neste momento daqui de onde te escrevo, penso que estarás num bom projecto de pesquisa. Que terás conquistado mais uma escada e que o caminho continuará cheio de desafios interessantes, para a tua curiosidade. Os encontros continuarão, não temas e sobretudo não deixes as paredes te engolirem. Eu sei que por vezes o teu mundo te parece suficiente, mas depois arrependes-te, quando sais e vês o mundo pelo lado de fora. Não deixes que os teus «eus» e eu te prendam demasiado, por vezes é preciso contrariar-se um pouco, para descobrir um pouco mais.

Admito que hoje estou numa linha trémula, face aos desconhecidos caminhos que seguirão. Não é fácil enfrentar a angústia e compôr com a rotina, os objectivos e ainda com os compromissos. Crescer faz parte da vida ou a vida faz parte de crescer? Em algum desses dois momentos é preciso fazer face a essa necessidade de assumir. Assumir quem se é; assumir a sua autonomia; assumir os seus amores; assumir o seu corpo; assumir os seus pensamentos. Muitos te consideraram como insensível, espero que hoje estejas mais reconfortada com esse teu lado. Pois eu sei que pecas por uma sensibilidade extrema, na qual afogas os teus gritos que se expressam em raiva. Por vezes é incontrolável.

Do final destes vinte e sete anos conturbados desejo-te confiança, segurança e garra. Sim, são quase sinónimos. Mas acredita em ti, coloco em ti a responsabilidade dessa mudança. Por enquanto ainda não posso assegurá-la. Basta que me vejas quantos cadernos largados, quantos blogs fechados, quantos documentos inacabados e sem falar em todas as ideias que me atravessaram o espírito por um milésimo de segundo: mas que por insegurança não anotei, desmotivada de acreditar que isso poderia ser o início daquele capítulo, na origem daquele livro.

Querida eu, feliz aniversário.

©Ryan McGuire
©Ryan McGuire
Imagem Editada ©Ryan McGuire

Anúncios

Deixa o teu comentário !

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s